4 – Necessidade constante de investimento

12-novo-patamar

A atividade de transporte exige dos empresários constantes e elevados investimentos em veículos, equipamentos, instalações, mão de obra, tecnologia, etc. É intensiva em capital e o retorno é de longo prazo; o risco é muito alto e a margem de lucro é sempre pequena por ser uma atividade exercida em regime de livre concorrência de mercado.

A partir de 2013, a demanda por transporte caiu assustadoramente e as transportadoras tiveram que arcar com os elevados custos de ociosidade e reposicionamento da capacidade instalada, levando o setor à descapitalização e ao prejuízo na quase totalidade das empresas.

Antes da recessão, aproveitando os juros subsidiados, houve um boom de investimento em veículos. Poucos planejaram corretamente o aumento de frota e a maioria ficou com os caminhões parados pelo encolhimento do mercado de transporte sem conseguir sequer vender os veículos que se tornaram ociosos, assumindo custos elevados, inclusive financeiros.

Agora, enquanto a economia dá sinais de melhoras e alguns setores retomam lentamente a trajetória de crescimento, é o momento dos transportadores repensarem, com muito critério, a necessidade de recuperação da rentabilidade e do capital de giro, eliminação da ociosidade, fazer novos investimentos calculando o custo e a taxa de retorno, além de garantia das operações por um prazo contratual maior e definido.

Com base em estudos e pesquisas, uma transportadora, para obter uma boa saúde econômica e financeira, deve gerar um Ebitda em torno de 30%.

Lembrando que, o Ebitda é uma sigla em inglês que significa “Lajida“ – Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, em livre tradução. É um excelente indicador de geração de caixa, produtividade e solidez.

Antes de assumir novos financiamentos confira, pelo menos, os seguintes itens:
* Para investir em frota nova, faça as contas analisando a taxa de retorno e o efeito no fluxo de caixa; A EMPRESA QUEBRA É POR FALTA DE CAIXA! Independente de patrimônio;
* Atenção aos custos fixos, inclusive os de contratação de motorista, impostos, etc.;
* O contrato com o cliente deve prever um volume mínimo de transporte por cinco anos, que é o prazo normal de financiamento e de depreciação;
* Estabeleça multa pela descontinuidade das operações antes do prazo contratual ou redução do volume de transporte;
* Preveja data base para reajuste, independente da cláusula de disparo automático do gatilho para repasse do custo de óleo diesel.

O Setcemg alerta: a decisão de investimento de longo prazo deve ser muito bem analisada, levando em conta que a economia do país é muito oscilante, o que torna o risco ainda maior.

Posts relacionados

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.