A justiça gratuita após a vigência da reforma trabalhista

É de notório conhecimento que a Lei 13.467/17, popularmente denominada de “Reforma Trabalhista”, trouxe à ordem jurídica vigente uma serie de alterações procedimentais que impactam de forma substancial o regular desenvolvimento processual em âmbito trabalhista.

Entre as alterações, no que tange a justiça gratuita, houve a inclusão do § 4º ao artigo 790, contendo a expressão “[…] comprovar insuficiência de recursos para o pagamento das custas do processo”. Nesse sentido, não basta a mera alegação de não possuir meios para arcar com os custos da demanda sem prejuízo próprio e/ou de sua família para o deferimento da justiça gratuita.

O benefício será concedido, a requerimento ou de ofício pelo juiz, àqueles que percebem salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência. Este valor, atualmente corresponde a R$2.258,32, como se observa da nova redação do artigo 790, parágrafo 3º, da CLT. Cabe à parte comprovar a insuficiência de recursos para o pagamento das custas do processo.

Segundo a nova regra contida na CLT, em relação ao pagamento dos honorários periciais, caberá à parte sucumbente, isto é, aquela que perdeu a matéria objeto da perícia, o pagamento dos honorários periciais, ainda que beneficiária da justiça gratuita.

Somente nos casos em que o beneficiário da justiça gratuita não tenha obtido em juízo créditos capazes de suportar a despesa, ainda que em outro processo, a União responderá pelo encargo.

A gratuidade da justiça também estendeu suas benesses às entidades filantrópicas e às empresas em recuperação judicial, por força do § 10, do artigo 899 da CLT. Todas estas alterações trouxeram avanços ao processo trabalhista inibindo, principalmente, aventuras jurídicas com o objetivo de obter vantagens indevidas, muitas vezes decorrentes do protecionismo exacerbado à parte hipossuficiente. Agora, com critérios objetivos, espera-se que reclamantes e reclamados ajam com mais prudência e assertividade em seus pleitos, tornando o processo transparente e verdadeiro em sua razão de ser – o de distribuir equanimente a justiça.

Letícia Lacerda A. R. Campos
Letícia Lacerda A. R. Campos

Cargo Assessora jurídica do Setcemg e membro do escritório Paulo Teodoro – Advogados Associados

Posts relacionados

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.