A perda de veículos e instrumentos utilizados na prática da infração ambiental

De acordo com o entendimento da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, a perda de veículos e instrumentos utilizados na prática da infração ambiental, conforme admitida pela Lei 9.605/1998, não depende de seu uso específico, exclusivo ou habitual para essa finalidade. Basta que tenha ocorrido uma única vez. A tese foi firmada em recursos repetitivos sobre o tema, cuja decisão ocorreu na sessão virtual na última quarta-feira (10).

A decisão vem para corroborar a tese levantada em 2019. A época, no julgamento do AREsp 1084396-RO, o STJ tinha decidido que exigir que a autoridade ambiental comprove que o veículo era utilizado específica, exclusiva, reiterada ou rotineiramente para a prática de delito ambiental caracteriza verdadeira prova diabólica, o que tornaria letra morta a legislação que ampara a atividade fiscalizatória – as autoridades ambientais podem apreender veículo utilizado para a prática de infração ambiental, por exemplo, mesmo que este bem seja alugado e quem tenha cometido o ilícito tenha sido o locatário.

Após a tese levantada, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) havia afetado três recursos especiais para julgamento sob o rito dos recursos repetitivos, ocasião em que o colegiado decidiria se a apreensão de bem utilizado em crime ambiental estava condicionada à comprovação de seu uso específico e exclusivo para atividades ilícitas.

A seção suspendeu o trâmite de todos os processos pendentes, individuais ou coletivos, que versavam sobre o assunto, até o julgamento do caso pelo STJ. A controvérsia foi cadastrada como Tema 1.036 no sistema de recursos repetitivos (recursos com o mesmo objeto). A questão submetida a julgamento é a seguinte:

“Aferir se é condição para a apreensão do instrumento utilizado na prática da infração ambiental a comprovação de que o bem é de uso específico e exclusivo para a atividade ilícita (Lei 9.605/1998, artigo 25, parágrafo 5º).”

No julgamento do Tema 1.036, da relatoria do Min. Mauro Campbell, o STJ ratificou o entendimento de que a perda de veículos e instrumentos utilizados na prática da infração ambiental não depende de seu uso específico, exclusivo ou habitual para essa finalidade. Basta que tenha ocorrido uma vez.

Na oportunidade, reforçamos a importância da regularidade no transporte de produtos perigosos, observando-se a legislação ambiental pertinente. A Assessoria Juridicoambiental do Setcemg permanece acompanhando o desdobramento do tema, e à disposição para orientações sobre o transporte de produtos perigosos.
Juliana Soares, assessora Juridicoambiental do Setcemg e da FETCEMG

Posts relacionados

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.