CONET DISCUTE AS MUDANÇAS E OS DESAFIOS DO TRANSPORTE NO ÚLTIMO SEMESTRE

CONET&INTERSINDICAL.png
Empresários, representantes de entidades e técnicos ESTÃO REUNIDOS para IMPORTANTES DEBATES sobre o setor

Nesta quinta-feira (4/08), foi realizado o primeiro dia da segunda edição CONET&Intersindical 2022, no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP). O evento contou com a presença de grandes empresários e personagens importantes do transporte rodoviário de cargas, para abordar as perspectivas do segmento e refletir sobre o cenário dos custos com combustíveis nos próximos meses. Diversas lideranças do estado estão marcando presença no evento, como o presidente do SETCEMG, Gladstone Lobato; o diretor da entidade, Antônio Luiz da Silva Júnior; o presidente da FETCEMG, Sérgio Pedrosa; o assessor de Segurança Logística do Sindicato e da Federação, Ivanildo Santos; além de representantes de outros sindicatos e dos núcleos da COMJOVEM.

Na cerimônia de abertura, o presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, agradeceu pela presença de todos os participantes e ressaltou: “É uma grande alegria e agradecemos a Deus por, após dois anos e meio, retornarmos ao evento presencialmente”.

Antes de adentrar aos temas programados, Pelucio aproveitou para destacar alguns pontos que ainda demandam das entidades de classe: “A implementação do Documento de Transporte Eletrônico (DT-e), o Tanque Suplementar e o problema do Seguro Obrigatório do TRC estão presentes em nossa organização. Também estamos iniciando este mês com diversas demandas no modo ‘participação social’, junto à ANTT, para Vale Pedágio Obrigatório, o Transporte Internacional de Cargas – TRIC – e a implementação do novo RNTRC”. “São diversos temas que as nossas entidades, sob o ‘guarda-chuva’ da nossa entidade maior, a CNT, temos de nos manter unidas para sugerir, sempre que possível, sugestões de melhoria para o setor”, afirmou.

Carlos Panzan, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo (FETCESP), entidade anfitriã, evidenciou a questão da capacitação de profissionais para o segmento: “O SEST SENAT vem trabalhando muito para isso e nós, das entidades, temos que valorizar como ele é importante para a qualificação profissional. Contudo, acredito que devemos trabalhar muito mais nas nossas entidades e nas nossas empresas para reverter essa escassez e incluir a participação de mulheres na condução de veículos”.

Palestras

Iniciando as palestras, Camilo Adas, Presidente do Conselho da SAE Brasil, retratou como as mudanças climáticas estão atingindo níveis preocupantes no mundo, e quais métodos estão sendo desenvolvidos para mudar a descarbonização da mobilidade no país por meio da substituição dos veículos convencionais para elétricos. “No Brasil, em média, 16,2% das emissões de CO² vêm do setor de transporte. Precisamos pensar no que iremos fazer para isso mudar no futuro, uma vez que a matriz intermodal brasileira tem forte influência diretamente no setor rodoviário. A estratégia para diminuição das emissões são os avanços dos veículos elétricos, biocombustíveis ou combustíveis renováveis”, diz Adas.

No painel seguinte, Thiago Angelis, economista do Bradesco, analisou detalhadamente sobre o panorama da economia brasileira e internacional. “A economia global enfrenta diversos desafios, com a inflação elevada desde 2020. Quando a inflação está elevada, os bancos centrais aumentam as taxas de juros, e isso está acontecendo devido às altas tensões do conflito no leste europeu, porém, as perspectivas para 2023 são de desinflação na economia, com o Banco Central reduzindo os juros”, afirmou. “Entretanto, já estamos observando desde o primeiro semestre uma economia brasileira bastante resiliente, com um cenário que se beneficiou muito com a reabertura plena da economia, e notamos que o setor de serviços teve uma recuperação forte, bem maior que as perspectivas feitas lá atrás pelos economistas”, completou.

Por fim, o assessor técnico da NTC&Logística, Lauro Valdivia, falou sobre os custos do transporte rodoviário de cargas e os estudos do DECOPE sobre o Índice Nacional de Custos dos Transportes INCT, que mede a inflação do setor. “Nos últimos 18 meses, a variação dos principais insumos aumentou. Os veículos subiram, em média, 42%, o custo de mão de obra 12,5% e o combustível dobrou em relação ao ano anterior, chegando a 104%. Mas isso também depende de como esses veículos operam, é muito difícil afirmarmos um número que representa o setor como um todo. Quando analisamos os veículos pesados, como o rodoviário, que consome muito, o predomínio do custo é o combustível”, afirmou.

Finalizando o primeiro dia da segunda edição do CONET&Intersindical 2022, a secretária do CONET e assessora jurídica da NTC&Logística, Gildete Menezes, apresentou aos convidados o Comunicado CONET.

Nesta sexta-feira (5), os principais temas são roubos de cargas e a participação feminina no setor. À tarde, lideranças do país se reúnem na Intersindical para debater as Convenções Coletivas e as melhores práticas dos sindicatos. Fique atento para mais informações sobre o segundo dia de CONET&Intersindical.

Fonte: NTC&Logística

Posts relacionados

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.