Treinamento para motoristas foi tema de GT RH

Nesta quarta-feira (14), o Grupo Técnico de Trabalho Recursos Humanos se reuniu no Setcemg para falar sobre treinamentos realizados para os motoristas nas transportadoras, desde aqueles de integração, até os de reciclagem, atualização, segurança, obrigatórios ou não na legislação.

Estiveram presentes representantes da Lenarge Transportes, Transcourier, Transportadora Andrade, Transpedrosa, Vitran Transportes, Transpes, Empresa de Transportes Martins, Patrus Transportes e assessoria jurídica do Setcemg.

Durante o encontro foram apresentadas as boas práticas realizadas nas empresas presentes, como a CIPA, ações de cuidado com a saúde do motorista, controle de jornada, treinamentos sobre os equipamentos utilizados na função e utilização de EPI´s (equipamentos de segurança), destacando a importância de desenvolver ações sempre visando a segurança dos motoristas.

“A ideia de ser seguro, tem que começar lá em cima, na diretoria. Assim é mais fácil de implantarmos e levarmos até a todos da empresa, e assim mudarmos a cultura”, destacou a coordenadora do grupo e coordenadora de RH da Lenarge Transportes, Pollyanna Vieira.

O tema Jornada de Trabalho foi bastante discutido na reunião, já que o registro deve ser feito pelo próprio motorista, como descrito na Lei do Motorista. Sendo assim, foi abordada a importância de mostrar para o motorista a correta utilização do diário de bordo e seu preenchimento, para ter as informações sempre atualizadas, atendendo a legislação.

Outro ponto de destaque foi a parceria das empresas com o Sest Senat, que auxilia na realização de palestras e treinamentos, presenciais ou à distância (cursos ead).

“O que vejo de interessante nessas ações é o alcance ao motorista”, pontuou Pollyanna lembrando que é preciso ter esse contato com o motorista, entender suas necessidades e proporcionar um local agradável para ele executar o seu trabalho.

“É muito importante o cuidado com o motorista, ter empatia com ele. Muitas vezes eles querem apenas conversar um pouco, já que ficam muito tempo no caminhão e muitos até viajando, ficando longe da família. É preciso olhar para a pessoa, ouvi-lo, cuidar da pessoa e não só focar no profissional”, completou.

O grupo volta a se reunir em setembro.

Posts Relacionados

Deixe um comentário