Deprecated: preg_split(): Passing null to parameter #2 ($subject) of type string is deprecated in /home/setcemg/public_html/wp-includes/formatting.php on line 3506

Deprecated: preg_split(): Passing null to parameter #2 ($subject) of type string is deprecated in /home/setcemg/public_html/wp-includes/formatting.php on line 3506
Scroll Top

Vai pegar a estrada? Conheça as piores rodovias de Minas Gerais

O jornal Estado de Minas repercutiu a Pesquisa CNT de Rodovias 2019  divulgada na semana passada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).  A reportagem ouviu diversos personagens focada nos dados sobre as rodovias mineiras., dentre eles o presidente do Setcemg, Gladstone Lobato. A matéria, publicada no último domingo(27), foi feita pelos jornalistas Guilherme Paranaiba e Luiz Ribeiro.

Análise da Confederação Nacional do Transporte (CNT) em mais de 15 mil quilômetros de rodovias em Minas Gerais revela que 4,8% da malha vistoriada para elaboração da Pesquisa CNT de Rodovias 2019 é considerada péssima. São 744 quilômetros que, quando analisados critérios como pavimento, geometria e sinalização, apresentam a pior classificação para seu estado geral em uma escala de cinco níveis, que vai do péssimo ao ótimo.

Para o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Setcemg), Gladstone Lobato, a presença de viadutos e pontes mais estreitos do que a largura da rodovia é um problema sério de geometria em Minas Gerais.
“É comum você encontrar uma estrada larga com pontes estreitas, o que cria um gargalo para a circulação e aumenta o risco de acidentes”, afirma Lobato. Ele também acrescenta que a grande quantidade de curvas perigosas, que é outra característica analisada no fator geometria, prejudica demais a circulação pelas rodovias mineiras.

“Nossas estradas foram construídas com uma tecnologia de muitos anos atrás, quando não existia uma tecnologia para eliminação de curvas. Hoje isso já é possível, mas nós não temos grandes investimentos em novas construções de estradas aqui no estado. O governo coloca uma placa dizendo que a curva é perigosa em vez de eliminá-la”, diz. O último fator que é considerado dentro do quesito geometria é a presença ou não de acostamento na pista.

Rotina de acidentes

Essa situação destacada pelo presidente do Setcemg é bem percebida na BR-352, rodovia que liga municípios como Pará de Minas, Pitangui, Martinho Campos e Abaeté. O trecho completo avaliado pela pesquisa, de 247 quilômetros, é considerado ruim, mas a geometria foi avaliada como péssima. Uma das situações que contribui diretamente para esse resultado é a ponte em curva entre Pará de Minas e Onça do Pitangui.

A estrutura é mais estreita em relação à pista e exige uma placa que a antecede avisando sobre o risco. “Toda semana tem um caminhão virado ali. É o lugar que concentra mais acidentes. O pavimento está bom, mas a ausência de acostamento também é um problema. É uma rodovia muito estreita, que acaba ficando perigosa por isso”, diz o caminhoneiro Gelson Garcia, de 25 anos, que trabalha no transporte de leite das fazendas da região.

Leia a matéria completa, aqui. 

Com informações do site do jornal Estado de Minas.

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.