A PRESCRIÇÃO DE MULTAS AMBIENTAIS ADMINISTRATIVAS

A gestão de uma transportadora demanda o conhecimento de deveres e direitos que envolvem o negócio, entre eles o ambiental. Nesse último caso, ressalta-se que, ocorrendo ato danoso, cabe ao estado o dever de fiscalizar, apurar, lavrar auto de infração e, por fim, julgá-lo. 

Assim, questiona-se:  quanto tempo o estado pode demorar para julgar as defesas e recursos opostas contra autos de Infração? Esses processos administrativos podem se prolongar indefinidamente? Enquanto o empreendimento aguarda o julgamento da infração, ainda correm juros e multa?  O que ocorre se o transportador recebeu uma infração por dano ambiental e o estado “deixou o processo parado por 10 anos”?  

A apuração e a aplicação de penalidade pelo estado não podem se estender por prazo indeterminado, pois esse fato contraria os princípios da segurança jurídica e da duração razoável do processo, previstos na Constituição. Nosso ordenamento reconhece a prescrição, definida como extinção de um direito pela inércia do titular durante um lapso de tempo. Ela pode ocorrer antes de iniciar o processo ou durante o seu curso. Neste último caso, há que se falar que ocorreu a denominada prescrição intercorrente.

Tanto em multas ambientais aplicadas pela União, como em vários estados, ocorre prescrição intercorrente quando comprovada a paralisação do processo administrativo (despachos ou decisão) por mais de três anos.

Mesmo existindo regulamentação federal prevendo a prescrição, o estado se mantém inerte e não disciplina a questão, o que vem dificultando o reconhecimento da mesma durante a paralisação de apuração de penalidades aplicadas pelo órgão estadual, no âmbito da SEMAD.   

A ausência de norma estadual permite que o estado permaneça inativo por anos e anos em flagrante desrespeito aos princípios da eficiência e da segurança jurídica, e garanta cinco, oito, 10 anos depois – para citar casos concretos vividos em nosso dia a dia – a cobrança de valores até cinco vezes maior que os inicialmente praticados por força da aplicação de multas e juros, apenas devidos em razão da ineficiência.

Faz-se necessário que a ALMG e o Executivo Estadual movam-se tanto no sentido de agilizar os julgamentos dos processos administrativos como de estabelecer e regulamentar a prescrição intercorrente, consagrando assim o princípio da segurança jurídica essencial para o bom ambiente dos negócios.

Walter Cerqueira – assessor juridicoambiental do Setcemg e da Fetcemg

Posts relacionados

Deixe um comentário

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.